O Banco Alimentar Contra a Fome do Porto participa na próxima edição do QSP Summit, um dos maiores eventos de management e marketing da Europa, que se realiza de 27 a 29 de junho, em Matosinhos, Porto. A instituição – a única de solidariedade social a marcar presença no evento – aproveitará a oportunidade para sensibilizar o público para a importância de se reduzir o desperdício alimentar. Para tal, e além do stand que terão no espaço, totalmente dedicado a esta temática, o Banco Alimentar do Porto contará, ainda, com um escape room que apenas “libertará” os participantes que consigam decifrar o enigma sobre o desperdício alimentar.

Para Bárbara Barros, presidente do Banco Alimentar Contra a Fome do Porto, “este convite enche-nos de orgulho”, citada em nota de imprensa. E acrescenta: “Saber que somos a única instituição de solidariedade social presente num evento desta importância e dimensão, que nos abre novas portas e nos permite chegar a diferentes públicos, é altamente gratificante e mostra-nos que estamos no caminho certo”. “Poder falar sobre um tema que é a nossa missão e nos é tão importante – e que deveria ser para toda a população, de uma forma transversal – é, sem dúvida, um grande privilégio. Esperamos conseguir alertar os participantes para a importância de se combater o desperdício alimentar, motivando-os a mudar e a adotar alguns hábitos para reduzir a pegada alimentar. Apenas desta forma será possível fazer a diferença. Temos todos um papel crucial a desempenhar nesta matéria”, conclui a responsável.

O QSP Summit conta, este ano, com mais de 128 expositores, mais de 60 oradores e mais de 3.000 participantes. Trata-se, por isso, de uma oportunidade para o Banco Alimentar do Porto dar a conhecer a sua missão e o trabalho que vem desenvolvendo com as mais de 300 instituições que apoia diretamente e que ajudam, por sua vez, 55 mil pessoas mensalmente do distrito do Porto. Esta será, ainda, um importante momento para estreitar ligações com as empresas presentes no evento, criando pontes para futuras parcerias para, desse modo, conseguir apoiar, no futuro, mais instituições e, consequentemente, mais famílias.

Artigo anteriorPrémio Literário Henrique Lamas com muitas participações na sua primeira edição
Próximo artigoJoão Dias Coelho: “O que está na origem da remoção da barreira no Rio Alviela”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome