24.2 C
Lisboa

Lélio Lourenço: “O País virou à Direita”

No passado dia 10 de março, o País votou e decidiu dar uma vitória à direita política, e embora por curta margem, à Aliança Democrática e a Luis Montenegro. Depois da demissão de António Costa que conduziu o País para a realização de eleições legislativas antecipadas pondo um ponto final num governo de maioria absoluta que ao invés de reformar o País e colocá-lo numa rota de desenvolvimento e prosperidade e com condições sociais e políticas únicas se consumiu em casos e casinhos e de demissão em demissão acabou sem honra nem glória e deixando o País com inúmeros e complexos problemas por resolver em variadíssimas áreas de governação.

A situação da Educação, da Saúde, da Justiça, das Forças de Segurança para referir apena estas é absolutamente calamitosa e deverá exigir do novo governo da Aliança Democrática uma resposta rápida e eficaz no sentido de devolver aos Portugueses a confiança nos seus serviços públicos e nas suas instituições. A vitória da Aliança Democrática significa que os portugueses quiseram virar a página e deram o voto de confiança a Luis Montenegro para alterar radicalmente o rumo da governação e devolver a esperança aos Portugueses.

Esperança num outro caminho para o País e que permita uma rota de desenvolvimento que nos aproxime dos povos mais ricos e prósperos da União Europeia. Outro dos vencedores da noite eleitoral é o Chega que após a contagem dos votos da emigração pode chegar aos 50 deputados o que significa um crescimento fulgurante para um partido que em 2019 tinha apenas um único parlamentar eleito. Ironia das ironias é o facto do crescimento do Chega ter ocorrido depois de nos últimos anos ter sido alvo das maiores atenções mediáticas e políticas do PS apenas com o objetivo de menorizar a direita democrática, tendo como resultado objetivo insuflar e fazer crescer o Chega.

Suprema ironia será a eleição de um deputado do Chega no círculo eleitoral de Fora da Europa, deixando de fora precisamente o candidato a deputado pelo PS, o ainda presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, que é precisamente a pessoa que mais invetivou o Chega em diversos episódios ocorridos no Parlamento.

Serão conhecidos os 4 deputados eleitos pela emigração. O Presidente da República recebe o líder da Aliança Democrática para concluir a ronda pelos partidos com assento parlamentar e depois indigitar o futuro primeiro-ministro que obviamente será Luis Montenegro !!

(Este texto faz parte da edição de março do Valor Local, antes de serem conhecidos os votos da emigração)

últimos artigos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome