Chama-se “Verão, o Legado”, e teve o seu lançamento público no passado dia 14 de maio. Trata-se do quinto trabalho em nome próprio da escritora Mónica Guerra, uma lisboeta que adotou o Ribatejo como casa e que em 2018 começou a contar a história de um grupo de espiões chamado a Ordem, numa série intitulada Quatro Estações, em que ao longo dos tempos e das estações do ano vão resolvendo alguns mistérios.

Mónica que é a responsável por nos trazer semanalmente as sugestões literárias no programa “Ler é o Melhor Remédio” na Rádio Valor Local, levantou um pouco do véu e numa conversa que poderá ouvir na íntegra em podcast abaixo diz-nos que esta terceira parte, começa no Verão de 1877, dando depois um salto temporal de alguns anos. Neste “Verão”, encontramos duas personagens que vêm da “Primavera”, e às quais se juntam outras que serão essenciais para a resolução de mais um mistério que a organização enfrenta. Ao mesmo tempo a aparente calma existente na Casa das Marés está a acabar, pois os agentes da Ordem estão de volta para proteger o legado e os seus segredos e impedir que caia nas mãos dos inimigos da Ordem. “Verão, o Legado”, pode ser adquirido na página da editora, Edições Toth e da distribuidora Rota do Livro, assim como nas páginas de várias livrarias na internet. Além disso, diz Mónica, também estará nos escaparates de algumas editoras independentes e claro está nas feiras do livro que vão acontecendo por esse país fora.

​Recentemente, Mónica Guerra esteve presente na Feira do Livro de Lisboa e diz-nos que sentiu um sabor agridoce. Se por um lado, sentiu uma boa reação por parte do público, por outro lado sentiu que os pequenos autores, os novos autores e as editoras que neles apostam, são colocados um pouco à margem e tudo gira à volta dos grandes nomes.

Quando lhe perguntamos se é possível um escritor viver só da escrita em Portugal, Mónica nem teve de pensar na resposta. “É praticamente impossível ser apenas escritor neste país”. Vários fatores contribuem para isso, um deles, “somos um mercado pequeno e onde não abundam hábitos de leitura”. Para um escritor em ascensão, vender 5000 exemplares seria um sonho. Possivelmente já no próximo ano, “Outono” será dado a conhecer junto do público e fica assim completa esta série de Mónica Guerra.

Artigo anteriorIr de Salvaterra a Santarém de táxi e pagar cerca de 3 euros e meio
Próximo artigoObservatório Metropolitano do Desporto e da Atividade Física vai ter nova fase de evolução

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome