Comparar a realidade dos EUA com a nossa em matérias relacionadas com os incêndios rurais é uma missão difícil (se não quase impossível). É verdade que este fenómeno é cada vez mais um risco transversal ao mundo inteiro, até mesmo países que raramente se batiam com esta realidade têm, nos últimos anos, visto a sua situação modificada. Os EUA são um país de diversas e distintas realidades em vários aspetos, com Estados tendencialmente gelados e locais verdadeiramente exóticos. Um exemplo bastante curioso é por exemplo o estado do Alasca, onde normalmente o verão é ameno, o inverno é longo, congelante, de neve e de ventos fortes, sendo que, quase durante o ano inteiro, o céu encontra-se encoberto. Ao longo do ano, em geral a temperatura varia de -18 °C a 14 °C e raramente é superior a 21 °C. Diríamos, numa normal conversa de café, que estamos perante condições em nada propícias para a ocorrência de incêndios rurais, no entanto, só em 2022, 595 ocorrências registadas deram origem a 3,1 milhões de hectares, o equivalente a 63% da área ardida no nosso país, somando as áreas ardidas dos últimos 40 anos.

Outra das realidades completamente distintas é a vegetação, o clima no geral, os fenómenos meteorológicos, as interfaces entre as áreas urbanas e as florestais, o tipo de construção ou até as formas e métodos de combate utilizadas pelos agentes, que apostam num combate feito por métodos indiretos (como o uso do fogo ou a abertura prévia de faixas de contenção) ao invés da aposta no combate direto com água, opções que são totalmente incomparáveis com a nossa realidade. Portugal continua a ser o país onde toda a gente deseja ter uma casa dentro ou próxima da floresta, inserida no meio do campo, mas onde ainda continua a ser difícil passar a mensagem que a limpeza do combustível em torno das habitações vai sendo das poucas formas de manter os nossos bens e vidas em segurança, obrigando nos casos de incumprimento a empenhar os agentes que intervêm no combate ao incêndio a uma dispersão gigante para poder proteger as habitações, sendo muitas vezes é inglório qualquer estratégia em incêndios violentos, dada a necessidade de dar prioridade à proteção de vidas e bens.

Talvez das poucas coisas que possam pôr Portugal e os EUA no mesmo prato da balança no que toca aos incêndios rurais é a cada vez mais exposição a fenómenos meteorológicos extremos, realidade transversal a todo o globo, que nos trouxeram uma nova e dramática realidade com os incêndios mortais de 2017 e que, apontam os cientistas, irão repetir-se mais vezes, principalmente se nada for feito referente às causas relacionadas com as alterações climáticas. O caso da atual tragédia na ilha do Maui no Havai é a prova disso mesmo, uma ilha que normalmente regista um clima húmido estava há algum tempo numa em situação de seca. De repente viu-se numa combinação mortal, com vários incêndios ativos e com ventos de um furacão distante, que fizeram a destruição que pudemos infelizmente assistir nos media, conjugada com uma construção essencialmente em madeira e uma ilha que tem apenas 200 bombeiros, estando em média cerca de 60 a 70 a trabalhar espalhados por 10 quartéis.

Os Incêndios serão, a somar às consequências de alterações climáticas e de fenómenos meteorológicos extremos, cada vez mais violentos, destruidores e mortais se, de uma vez por todas, nada for feito de forma abrupta para parar as alterações climáticas provocadas pela poluição mundial.

Comandante dos Bombeiros Voluntários de Azambuja

Artigo anteriorProjeto do Aveiras Eco Valley já adquiriu terrenos a mais de 30 proprietários
Próximo artigoManuel Sousa tem mais de 150 bonsais em casa

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome