A Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) anuncia a criação do passe Navegante Empresas. Segundo nota de imprensa da TML foi criado para “simplificar a oferta do passe social a trabalhadores e familiares das empresas”, convocando a” iniciativa privada a dar um passo na defesa do ambiente, garantindo o direito à mobilidade dos trabalhadores das empresas da Área Metropolitana de Lisboa (AML) com acesso ao passe navegante”.

As organizações que adiram ao navegante empresas poderão, em sede de IRC, deduzir no lucro tributável 150% dos gastos suportados com a compra de passes para os seus trabalhadores e familiares, de acordo com a lei nº 24-D/2022.

Segundo Rui Lopo, administrador da TML, empresa que gere a Carris Metropolitana, citado na mesma nota de imprensa, num “futuro próximo”, as empresas poderão ainda beneficiar de um serviço de consultadoria para desenvolver uma estratégia de mobilidade adaptada a cada caso. “Não queremos que apenas ofereçam o passe aos seus trabalhadores, queremos que fomentem no contexto empresarial interno a utilização dos transportes públicos, assumindo publicamente o seu compromisso com a mobilidade e a redução da pegada carbónica. E, portanto, queremos trabalhar diretamente com as empresas na criação dos seus planos de mobilidade e assim promover uma maior eficiência e fiabilidade”, concretizou Rui Lopo.

“Reduzir as emissões associadas às deslocações urbanas, operando uma transferência modal para a qual devemos envolver as empresas e as organizações, trazendo os seus trabalhadores e familiares para o transporte público, é algo que pretendemos e queremos concretizar com o navegante empresas”, sintetizou o administrador da TML, Rui Lopo, na apresentação pública do navegante empresas que reuniu o secretário de Estado da Mobilidade Urbana, autarcas e demais representantes do setor dos transportes da Área Metropolitana de Lisboa no arranque do Portugal Smart Cities Summit.

Na qualidade de presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, Carla Tavares, durante a mesma iniciativa, realçou que “apesar dos benefícios fiscais, há acima de tudo um grande desafio de cidadania por concretizar que é o de trazer as empresas para uma mobilidade mais sustentável que passa pela utilização do transporte público.” enfatizando ainda todo o envolvimento do governo, AML, TML e autarquias na implementação do navegante como resposta ao grande desafio de mobilidade que se impõe na área metropolitana de Lisboa.

Artigo anteriorRegresso às aulas- Importância do pequeno-almoço
Próximo artigoHospital Vila Franca integra plataforma europeia para tratamento de cancros endócrinos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome