Desde o nosso quintal cósmico no Sistema Solar até galáxias distantes perto do início dos tempos, o Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA cumpriu a sua promessa de revelar o Universo como nunca antes no seu primeiro ano de operações científicas. Para celebrar a conclusão de um primeiro ano de sucesso, foi publicada uma nova imagem do Webb de uma pequena região de formação estelar no complexo de nuvens Rho Ophiuchi.

A nova imagem do Webb divulgada hoje apresenta a região de formação de estrelas mais próxima de nós. A sua proximidade, a 390 anos-luz, permite um grande pormenor, sem estrelas em primeiro plano no espaço intermédio.

A região apresentada contém cerca de 50 estrelas jovens, todas elas com uma massa semelhante à do Sol ou mais pequena. As áreas mais escuras são as mais densas, onde poeira espessa envolve protoestrelas ainda em formação. Enormes jactos bipolares vermelhos de hidrogénio molecular dominam a imagem, aparecendo horizontalmente no terço superior e verticalmente à direita. Estes ocorrem quando uma estrela irrompe pela primeira vez através do seu envelope natal de poeira cósmica, lançando um par de jactos opostos para o espaço. Em contraste, a estrela S1 esculpiu uma caverna brilhante de poeira na metade inferior da imagem. É a única estrela na imagem que é significativamente mais maciça do que o Sol.

Algumas estrelas na imagem mostram sombras que indicam discos protoplanetários – potenciais futuros sistemas planetários em formação.

Desde a sua primeira imagem de campo profundo, revelada em julho de 2022, o Webb cumpriu a sua promessa de nos mostrar mais do Universo do que nunca. No entanto, o Webb revelou muito mais do que galáxias distantes no Universo primitivo.

Para além das deslumbrantes imagens de infravermelhos, o que realmente entusiasma os cientistas são os espectros nítidos do Webb – a informação detalhada que pode ser recolhida da luz pelos instrumentos espectroscópicos do telescópio. Os espectros do Webb confirmaram as distâncias de algumas das galáxias mais longínquas alguma vez observadas e descobriram os buracos negros supermassivos mais antigos e mais distantes. Identificaram as composições das atmosferas dos planetas (ou a falta delas) com mais pormenor do que nunca, e reduziram pela primeira vez os tipos de atmosferas que podem existir em exoplanetas rochosos. Também revelaram a composição química de berçários estelares e discos protoplanetários, detectando água, moléculas orgânicas contendo carbono e muito mais. As observações do Webb já deram origem a centenas de artigos científicos que respondem a questões de longa data e levantam novas questões a abordar com o Webb.

A amplitude da ciência do Webb é também visível nas suas observações da região do espaço que nos é mais familiar – o Sistema Solar. Anéis ténues de gigantes gasosos surgem da escuridão, pontilhados por luas, enquanto ao fundo o Webb mostra galáxias distantes. Ao comparar as detecções de água e outras moléculas no nosso sistema solar com as encontradas nos discos de outros sistemas planetários muito mais jovens, o Webb está a ajudar a construir pistas sobre as nossas próprias origens – como é que a Terra se tornou o local ideal para a vida tal como a conhecemos.

Um ano depois, a missão científica do Webb está apenas a começar. O segundo ano de observações já foi selecionado, com planos para desenvolver um primeiro ano excitante que excedeu as expectativas.

Artigo anteriorCâmara de Azambuja e Cruz Vermelha de Aveiras de Cima lançam Programa de Apoio Alimentar para pessoas carenciadas
Próximo artigoVMER do Hospital de Vila Franca das mais operacionais do país

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome