31.5 C
Lisboa

Obras na extensão de saúde de Alcoentre devem arrancar em inícios de 2025

Está assinado, desde o início do mês, o contrato do Programa de Recuperação e Resiliência de financiamento à requalificação do posto médico de Alcoentre e Centro de Saúde de Azambuja. Algo que o município de Azambuja vinha há largos meses a reclamar, mas que finalmente passou para o papel.  O município de Azambuja participou numa cerimónia de formalização dos contratos de financiamento da requalificação integral do posto médico de Alcoentre e do sistema AVAC do Centro de Saúde de Azambuja, no dia quatro de junho. Ao Valor Local, o presidente da Câmara fornece os tempos para as duas obras, uma deve ser uma realidade ainda este ano, já a obra de Alcoentre deverá ir para o terreno em 2025.

Os contratos foram assinados, nas instalações do Infarmed em Lisboa, pelo presidente da Câmara de Azambuja – Silvino Lúcio, e por dois membros do Governo, o Ministro Adjunto e da Coesão Territorial – Manuel Castro Almeida, e a Ministra da Saúde – Ana Paula Martins.

As intervenções eram há muito aguardadas pela população do concelho, quer a requalificação do Posto Médico de Alcoentre (financiada com 350 mil euros), quer a recuperação do sistema AVAC do Centro de Saúde de Azambuja (apoiada com 300 mil euros).

“O Município de Azambuja fará tudo o que estiver ao seu alcance para agilizar os próximos passos, no âmbito dos procedimentos da empreitada, no sentido de iniciar brevemente as intervenções”, diz o município em comunicado. Ao Valor Local, Silvino Lúcio, presidente da Câmara, atribui a questões relacionadas com o desmantelar da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo estes atrasos. Durante mais de um ano, a Câmara foi adiantando que estaria a aguardar a abertura do aviso com referência ao programa de investimento designado “Cuidados de Saúde Primários com mais respostas”. Os objetivos da sua implementação visam a requalificação das instalações e dos equipamentos de unidades de saúde, assegurando condições de acessibilidade, qualidade, conforto e segurança para utentes e profissionais. A população de Alcoentre demonstrou mais do que uma vez o seu desagrado com estes atrasos.

Em janeiro deste ano o projeto ficou concretizado, e finalmente em junho os acordos foram assinados “o que muito nos satisfez”. O autarca conta arrancar com as obras de requalificação da extensão de saúde de Alcoentre em inícios de 2025, seguindo-se agora o concurso para a sua execução. Já a obra do AVAC no Centro de Saúde de Azambuja deverá ser levada a cabo ainda este ano.

Silvino Lúcio não deixou ainda escapar a oportunidade de confrontar a ministra com a falta de médicos de família no concelho. Ana Paula Martins ficou a saber que o município tem 18 mil pessoas sem médico de família. “Apenas conta com médico e meio para atender a população. Congratulou-se com o projeto Bata Branca. Disse que iam fazer tudo para fixar médicos neste território”. A breve trecho, vai ser introduzida também a modalidade da vídeoconsulta neste concelho pela Unidade Local de Saúde do Estuário do Tejo, algo que Silvino Lúcio vê com bons olhos.

 

últimos artigos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome