JQUERY RADIO PLAYER and WORDPRESS RADIO PLUGIN powered by WordPress Webdesign Dexheim and FULL SERVICE ONLINE AGENTUR MAINZ
14.7 C
Lisboa

Comunidades de Energia: Câmara de Azambuja cria projeto piloto na Socasa

A Câmara Municipal de Azambuja vai criar comunidades de energia em que conta com a adesão da população. Uma das primeiras será no Bairro da Socasa na sede de concelho em que a população pode beneficiar de painéis fotovoltaicos. Combater a denominada pobreza energética é um dos objetivos dentro daquilo que é o Roteiro de Neutralidade Carbónica 2050 do qual lançou mão o município. No total podem vir a ser abrangidas 100 residências conforme foi referido na apresentação de um workshop que teve lugar no Páteo do Valverde.

Simultaneamente a Câmara de Azambuja submeteu uma candidatura ao European City Facility (EUCF), com o projeto Azambuja Nearly Zero Energy Building (NZEB) (Edifício de Energia quase Zero), a qual foi aprovada, com um financiamento global de 60 mil euros, que visa avaliar a viabilidade de diferentes medidas de eficiência energética e produção, para um conjunto de edifícios públicos. Serão alvo deste investimento a Escola Básica de Azambuja; os paços do concelho; o posto de turismo; a Casa da Juventude de Azambuja; o Páteo do Valverde; e o Centro Escolar Boavida Canada que compreenderá a instalação de sistemas térmicos eficientes; substituição de AVAC por bombas de calor; instalação de painéis solares entre outras medidas. Prevê-se uma poupança energética nalguns daqueles edifícios na casa dos 50 por cento, o equivalente a 27 mil euros a menos na conta da luz do município por ano.

No projeto piloto a implementar na Socasa que compreenderá o bairro e a escola básica local, a Comunidade de Energia Renovável, enquanto projeto piloto, “terá uma capacidade de 210 kW pico, com uma produção anual de cerca de 265 mil kWh” em que serão beneficiados  80 a 100 membros deste bairro mais a escola, o que significa que, de acordo “com as nossas estimativas, a sede piloto permitiria satisfazer cerca de 59 por cento das necessidades energéticas da Escola Básica da Azambuja e 51 por cento das necessidades energéticas das habitações, o que se traduziria em economias globais anuais de cerca de 11 mil euros”, foi referido durante o workshop.

últimos artigos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome