As Festas do Império do Divino Espírito Santo (FIDES) realizadas em Alenquer já foram incluídas no património imaterial nacional, mas ainda se encontram em processo de aprovação e inscrição no inventário nacional, o que deve demorar cerca de mais um ano. Quanto à candidatura à Unesco, a ambição maior do município, é algo a equacionar no futuro, de preferência numa candidatura conjunta com Angra do Heroísmo, onde estas festividades atingem também o seu expoente máximo. Recentemente a cooperativa cultural Memória Imaterial deu mais uma achega nesta caminhada do município com um trabalho de registo em que percorreu todas as freguesias, entrevistando pessoas e compilando as celebrações em vídeo e áudio.

José Barbieri, da cooperativa cultural Memória Imaterial, em entrevista ao Valor Local, este sublinha que todo o trabalho de investigação e documentação, no âmbito do processo de candidatura das festas a património cultural imaterial está disponível ao publico no sítio memoriamedia.pt. Esta documentação é central para compreender o significado das festas, essencial para a preservação do património cultural imaterial.

Relativamente à inscrição no inventário nacional, acredita-se que com a nova equipa responsável no ministério, “o processo será mais rápido”, referindo que não deve demorar mais de um ano para a inclusão.

José Barbieri mostra esperança que este reconhecimento ajude as populações a valorizar as festas. Porém, frisou, que as festas não devem depender desse reconhecimento para continuarem a existir, pois a sua importância radica na vontade das comunidades em mantê-las vivas.

A Festas do Império do Divino Espírito Santo celebram-se em vários países, não só em Portugal, mas também no Brasil e nos Estados Unidos da América. Em Alenquer remontam ao século XIII, antes de serem adotadas pela Rainha Santa e por D. Dinis. Com a diáspora, as festas expandiram-se para os Açores e, mais tarde, para outras partes do mundo. Porém, ao longo do tempo, foram sofrendo alterações. Por exemplo, nos EUA existe um rei e uma rainha, num ambiente festivo. Estas variações são o reflexo da diversidade cultural e das adaptações efetuadas, mas o espírito das festas é o mesmo.

Artigo anteriorCaminhada pela Sustentabilidade em Samora Correia
Próximo artigoCentro de Saúde de Azambuja pode ter médicos a dar consultas todo o dia

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome