O pesadelo do trânsito de pesados proveniente da empresa de logística Santos e Vale mudou-se da Rua dos Bons Amigos na Passinha, concelho de Alenquer, para a Rua das Camélias e Avenida da Juventude nos Casais Novos. O Tribunal Administrativo de Lisboa deu razão aos moradores da Passinha que se queixavam há largos anos da passagem dia e noite de centenas de camiões pelo que a Santos e Vale faz agora um novo trajeto para as suas cargas e descargas, impedida que está de circular na Passinha para além dos 20 camiões diários que constavam do projeto de licenciamento. Quem paga agora a fatura da falta de descanso e de diminuição da sua qualidade de vida são os habitantes de Casais Novos. Um grupo de munícipes esteve na reunião de Câmara de Alenquer a queixar-se deste suplício.

Nádia Loureiro, habitante na Rua das Camélias, começou por expor que no dia 13 de junho, deu-se ao trabalho de contar o número de camiões que passaram junto a sua casa, sendo que contabilizou 238 viaturas, 43 só de noite, o que impossibilita qualquer tentativa de descanso. “Aquela era uma zona calma até ao momento em que os camiões decidiram fazer este novo trajeto, para além de que o trânsito intenso de camiões naquele local está a estragar o pavimento das ruas. Neste momento é insustentável e gostávamos de ter algumas respostas para as nossas perguntas. Como é possível uma empresa ter uma atitude destas numa zona residencial?”, deixou a interrogação. A moradora não tem dúvidas de que em risco encontra-se a saúde e o bem-estar dos habitantes que sofrem com a poluição e a trepidação. Também presente nesta reunião de Câmara, o igualmente morador na Rua das Camélias, Hélder Francisco, queixou-se do mesmo e pediu mais fiscalização dos camiões, numa rua que já não tem passeios.

O presidente da Câmara de Alenquer, Pedro Folgado, adiantou que continua a negociar com o proprietário de um terreno, na Quinta da Telhada, onde possa ser criada uma via alternativa que não prejudique os moradores. Em 2021, o autarca já falava ao nosso jornal do encetar dessas negociações, mas passados dois anos, e até à data ainda não haverá fumo branco. Numa entrevista publicada na nossa edição de julho de 2021, Pedro Folgado acrescentava ainda que a Santos e Vale teria de arcar com parte desse futuro investimento.

Aos munícipes presentes na sessão de Câmara, o autarca deu conta que inicialmente a empresa apenas falava no tráfego de 20 camiões diários, o que não se veio a comprovar. O autarca salientou que para minimizar a passagem dos camiões podem ser colocadas lombas.

​Já o vereador do PSD, Nuno Miguel Henriques, deu a ideia de instalação de videovigilância no local como meio dissuasor ou de colocação de elementos da GNR no local através da atribuição de serviços remunerados gratificados pela Câmara.

Artigo anteriorO Serviço de Esterilização no HVFX, EPE- Finalidade e Importância
Próximo artigo(c/áudio)Misericórdia de Azambuja reclama 1 milhão de euros dos terrenos das piscinas junto da Câmara

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva um comentário
Por favor, o seu nome